Sempre que me lembro de alguma coisa que possa dar um texto, aponto para não me esquecer, quando não aponto alguma dessas ideias, é como se tivesse acabado de sonhar, ou seja, se não contar esse sonho a alguém em perde-se por aí algures e raramente me volta à memória…

Acredito que a inspiração seja uma espécie de dom em forma de sonho. Sempre que vem, é nova e se não a captarmos num certo momento, aquilo em que estávamos a pensar já não sai da mesma forma.

Não consigo escrever sem estar inspirada. Quando escrevo sem vontade e sinto que não estou inspirada, prefiro parar e voltar quando me apetecer.

Estes dias não escrevi não por não ter inspiração, mas sim porque a velocidade com que vivi estes dias foi demasiada e eu não consegui organizar ideias, várias vezes tentei, mas escolhi ser feliz e mais tarde contar esses momentos.

Este sem duvida nenhuma, será o verão que irei guardar no coração, como o verão mais bonito da minha adolescência, precisamente porque me tenho sentido uma adolescente

Esta semana foi a semana de aventuras. Quase não parei em casa nem na minha escrita. Ela esteve de férias uma semana. A semana em que só tive tempo para sorrisos abertos gargalhadas sinceras e dar “trabalho” aos meus amigos.

 

E não é que fui acampar pela primeira vez?

Esqueci-me das dores (espera! Fui com a “farmácia” atrás) e fui divertir-me com os meus amigos! Acredito que nos aturamos e nos ajudamos mutuamente. Eles empurram e pegam em mim e na cadeira a peso e eu e a minha cadeira fazemos com que gastem menos dinheiro no ginásio ahaah A cadeira não é leve e eu muito menos. Portanto estão a ver o filme que é descer escadas na cadeira não estão?

Diversão total.

Seja a voar ou com as rodas da minha cadeira bem na terra…não tenho como não ser feliz!

Se me lembrar de mais algum pormenor depois conto!

Acima de tudo seja felizes.