Já imaginam estarem dependente das outras pessoas desde que se levantam até que se deitam? Com certeza que não!

Sinceramente não acho que isso tenha de ser um problema porque a verdade é que não deixamos de ter o nosso valor. Aliás, até passamos a ter mais porque temos uns cuidadores super-heróis que nos fazem chegar mais longe….

 

É assim um dois que se torna apenas num um. Como quem diz uma heroína/ herói 2 em 1.

Admiro mesmo os cuidadores.

A minha cuidadora, neste caso a minha mãe, é uma cuidadora que ultrapassa as cinco estrelas de todas as escalas que existem no mundo. Não conheço outra pessoa que me dedique tanto tempo com ela. Não conheço também mais ninguém que tenha tanta paciência para o meu mau feitio…. Só conheço mesmo A-minha-mãe-cuidadora.

Ainda assim, tem-me custado um bocado ser cuidada.

Simplesmente porque há sensivelmente um ano, eu já fazia quase tudo. Tipo tomar banho sozinha, vestir-me sozinha, isso tudo. E até chegar a esse ponto de confiança em mim própria e vontade de ser o mais independente possível, foram precisos anos de trabalho, que há seis meses, foram mais ao menos perdidos…

Não sei que vos diga. Mas dizem-me que essa independência vai voltar. Acredito que sim até porque desde da cirurgia já fiz algum progressos bem bons.

A verdade é que esses progressos chegam até mim a passo de caracol…E pronto de vez em quando, por este compasso de espera, tenho tendência a verter algumas lagrimas. Sou a primeira pessoa a dizer que isso não leva a lado algum. E não leva mesmo.

Porém, às vezes, também sabe mesmo bem, deitar cá para fora, crises existenciais que vão ficando na nossa alma para as quais não temos explicação, nem muito menos, nos apetece falar delas.

Tipo…é que não basta ser adolescente e ter as crises existenciais próprias da idade, ainda tenho que ter as outras por culpa do excesso de maturidade e também uma certa preocupação com o futuro? Parece que sim…

Bem podia ser pior…e por muito que seja difícil não há nada que um bocado de paciência (minha e dos que estão à minha volta) e tempo (MUITO TEMPO!) não resolvam.

Não escrevi este texto à espera que me resolvessem estes medos e inseguranças que voltaram a aparecer…

Escrevi este texto para que percebessem que até a pessoa com a alma “mais forte de todas” tem desânimos…por isso não vale mesmo a pena pensar que somos os mais fracos e que os outros é que são fortes…O mais forte e mais fraco é tudo uma questão de visão por isso (Vou ter de limpar melhor os óculos! Devem estar embaciados…só pode…Ahahaa)

E também porque este texto foi escrito por mim própria para mim própria só para ver se começo a ter pensamentos menos inseguros , que se expandem   cada vez mais com o medo…

Posto isto…

A vossa Rita,

Que já limpou os óculos muito bem e já está a ver tudo pelo lado mais positivo…

Ou seja, ser cuidada também tem sido bom porque posso dar-me mais à preguiça! Ahahahah

Rita Bulhosa-31