Mais do que uma condição…

Hoje é o Dia Mundial da Paralisia Cerebral

Escrevo não só para contar na primeira pessoa minha história de sucesso ( desculpem a imodéstia  ), mas sobretudo para acalmar os corações inquietos de pais e famílias, que caíram de paraquedas neste mundo tão duro e por vezes sinuoso da Paralisia Cerebral.

Este caminho consegue ser solitário e em simultâneo muito luminoso.

Se ás vezes parece que estamos prestes a cair o abismo do desalento, outras vezes conseguimos enxergar pequenas coisas, que nos transcendem, têm significados que só os tocados por alguma diferença durante a vida, conseguem decifrar, ver com outros olhos.

Não me considero uma guerreira. Sou uma jovem de 20 anos, a quem o destino trocou as voltas (ou não…), com uma certa mestria. 

O universo, ao contrário do que se possa pensar sabe o que faz. Confio nele…

Tenho plena consciência de que por muito que, ás vezes, me sinta vencida, nesta luta que é diária, não a trocava. Pode parecer chocante ao ponto de duvidarem destas minhas palavras, se nunca soube o que era correr, posso sempre correr no pensamento e imaginação…certo?

Além disso acho que os problemas e as diferenças só ditam o nosso destino se deixarmos. É difícil, mas não impossível desenhar a nossa própria história sem estamos eternamente agarrados aquilo que nos definiu à nascença como “incapazes” aos olhos de meio mundo. 

Na verdade, eu tenho paralisia cerebral, porém ela não me define nem tão pouco limita a minha capacidade de viver uma vida normal.

O lado mais duro e desumano deste caminho, é a forma cruel como a sociedade olha para a Paralisia Cerebral. É um mundo de padrões e regras competitivas, quando na verdade não há duas pessoas iguais.

Enquanto a diferença não nos toca, não é nada connosco, não é?

Apesar de toda a dor física e psicológica pela qual já passei, ( e passo muitas vezes) não deixo de sorrir porque a vida é um equilíbrio e um misto de sentimentos não só o sofrimento.

Há dias em que o meu mundo desaba, e logo a seguir sem chance de recuo ele lá se reergue.

É uma vida em que o desafio é a premissa e a superação é uma constante. É uma incógnita para a maior parte dos ditos normais, como consigo ser feliz.

Então é assim, tal como vocês são felizes na vossa condição de meros chatos convencidos normais. Eu sou uma miúda bastante feliz resmungona e determinada que por acaso tem PC.

Ando há 20 anos a tentar compreender o mundo, mas nem por isso a sociedade tenta compreender o meu por um minuto que seja. 

Mais do que uma efeméride de calendário este dia, deve ser para refletir e celebrar todas as conquistas, daqueles que são felizes mesmo em constante luta com a gravidade e com um corpo que mais parece ter vida própria.

Um comentário em “Mais do que uma condição…

  1. Maria Manuela Baptista de Andrade Couto Responder

    Muito gosto de ti, Rita!
    Sei só um bocadinho daquilo de que falas… A minha neta é autista.
    Um grande abraço.
    Continua feliz! 🤗😘❤️

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *