Farta de ignorantes!

Quase diariamente tenho conversas de loucos, sem pés, nem cabeça.

Das duas uma, ou deixo a sociedade na ignorância, ou passo-me….Quase sempre deixo na ignorância porque já não vale mesmo a pena. 

Uma coisa que as pessoas raramente percebem é que pelo facto de estar numa cadeira de rodas não quer dizer que não fale ou até que não tenha entendimento daquilo que me rodeia.

Percebo que as pessoas, por vezes, não saibam como reagir perante uma cadeira de rodas. É normal. Eu própria nunca sei como reagir a uma coisa que seja nova para mim. Mas quando falam diretamente para alguém, esperam que essa pessoa vos dê resposta, certo? Pois! Eu, como qualquer outra “pessoa normal”, tenho o direito a que me tratem com educação e normalidade. 

Se eu acabei de fazer uma pergunta espero, pacificamente, que respondam a mim e não  à pessoa que vai comigo.

E quando saco do meu cartão multibanco para pagar AS MINHAS compras? Grande escândalo! Ou não têm o terminal à minha altura ou,então, mesmo que seja eu a dar o cartão para pagar, passam a estabelecer diálogo com o meu cuidador e esquecem-se que ali estou!

A sociedade é preguiçosa e não se interessa nada em “espreitar”,no bom sentido e de forma positiva, o mundo em que vive e aquilo que a todos nós nos rodeia! 

Enquanto a ignorância e a indiferença  desnecessária permanecerem não podemos querer um mundo mais tolerante e recetivo à diferença...
Bora mudar mentalidades?

19 comentários em “Farta de ignorantes!

  1. Ana Maria Ferreira Responder

    É lamentável, Ritinha. Infelizmente, ainda há muitos ignorantes neste mundo. Beijinhos.

  2. maria pepe-pepita Responder

    bora mudar o mundo minha querida….
    as pessoas só kuando a realidade na familia entendem.
    eu em pequena tive uma vizinha ke tinha uma menina uns anitos mais velha que eu mas estava numa cadeira de rodas ria se para mim e nnguem brincava com ela os cuidadores há mais de 50 anos não faziam terapias e nem saiam com crianças em cadeiras, nem havia acessos. Eu todos dias ia brincar com ela levava um boneco ( ainda o tenho) o Zé e falava com ela ….apenas ria para mim e emita uns sons k pra mim eram conversa. fazia beiçinho kuando eu regressava á minha vida.
    viveu muitos anos….mesmo distantes, sempre que ia á aldeia ia visita la, sempre me conheceu e sempre fez beiçinho na despedida. Uma familia que eu adorava uma amiga que esta sempre na minha alma. O mundo precisava ver a diferença e aceitar. temo pelos meus netinhos contudo enquanto for viva tudo farei p lutar a seu lado e que as pessoas entendam que eles são seres superiores, o mundo tem que se baixar ao mundo deles.e apesar das dificuldades e angustias o amor é tudo e estar vivo é igulamente magnfico. abraço da pepita

    • Rita Autor do artigoResponder

      Baixar os braços nunca é opção, por isso o melhor a fazer é lutar! Um beijinho grande

  3. Glória Lambuzana Responder

    Rita essa atitude das pessoas não é por estares numa cadeira de rodas, eu tenho Osteogenese Imperfeita e meço 1,12cm, a minha estatura é torta, e fazem o mesmo. Eu acho que as pessoas são preconceituosas e algumas muito mal educadas, por isso em certas situações eu resolvo dar uma lição.

      • Judite pimentel Responder

        Ó Ritinha é bem verdade a ignorância de muitas mas muitas pessoas. Eu chamo mais, má formação. São em grande quantidade. Aceitar a diferença, seja ela qual for, aprende-se em casa.
        Penso ter feito o meu trabalho como mãe e continuo como avó.
        É triste mas não acredito que vá haver grandes mudanças nos tempos mais próximos.
        Beijinho Ritinha

    • doutora dentinhos Responder

      Sem dúvida! Bora lá mudar isto! O mundo vai ser diferente se nós o sonharmos e trabalharmos para que assim seja! Tu, Rita, só por seres tu própria, colocas em palavras e impulsionaa os sonhos de muitos! Bem haja a ti! Vou partilhar. 💪😉

  4. Maria Gabriela Almeida Miranda de Albuquerque Matos Responder

    Rita adorei o seu texto. Na sociedade em que vivemos as pessoas só olham para si e não para aqueles que a rodeiam, que são pessoas muito especiais. Não sei se a Rita está lembrada que depois de umas eleições, houve um deputado que foi eleito para a assembleia da república e quando desceu da tribuna caiu ao chão.Portanto está a ver nem os nossos governantes não estão familiarizados para estes e outros problemas. O que eu acho é que às pessoas falta-lhes educação,mas não aquela que vêm nos livros,porque essa não me diz nada. Diz-me sim é a educação cívica. Beijinhos para si.

  5. Maria Florbela faria Freitas Responder

    Tens toda a razão Ritinha 😔 ainda há um longo trabalho a fazer para mudar mentalidades. Mas estamos no bom caminho 🙏 faltam é mais ritas corajosas 😘💖

  6. Tila Alves Gonçalves Responder

    Boa Noite Rita

    Sei que o teu desabafo em jeito de “grito de revolta”, estares “farta de ignorantes”, sem dúvida já serenou. Tens revelado sempre uma inteligência, uma capacidade acima da média dos jovens e até menos jovens, da forma como entendes o Mundo que nos rodeia. Como te expressas, os comentários a avaliação que fazes desta sociedade preguiçosa e muitas das vezes, com falta de educação.

    Acontece com todos nós, não te preocupes, cada um de jeito diferente. Ser tolerante é uma boa forma para aceitarmos quem não cumpre a cidadania em seu pleno, como respeitar pessoas, ambiente e, até as leis. Existem tantas pessoas assim.

    Para a próxima Ritinha dirás: “Alô! Alô! Estou aqui, ainda não me fui embora, a compra é comigo!” A sorrir com o teu jeitinho simpático. Fica certa que vão entender a tua autonomia apesar da diferença.
    Até Breve beijinhos

  7. Nanda Paneiro Responder

    Um grande abraço e mts parabéns pela grande pessoa que és, inteligente, condescendente, é muito muito bom senso a acompanhar.És um Mulher digna de respeito e admiração.🙋‍♀️🌺

  8. claudia vicente Responder

    ola Rita confesso que ja tenho lido algumas coisas que tens escrito, eu como pessoa dita normal ate eu vejo certas coisas infelizmente isto ja vem ha muitos anos mas o que eu noto e que nao e so contigo
    . Na nossa sociedade quanto mais lingrinhas e bonita fores melhor, ora se fores gorda feia com dentes de coelho e baixita como eu sou as pessoas são capaz de dar mais atenção ao marido. O que me chateia
    e que se nao fores perfeita se nao tiveres aquelas qualidades estas feita obrigada pela atenção peço desculpas se nao era isto que querias mas também acho importante partilhar.

  9. Daniela moreira Responder

    Bom dia
    Sou alguém como tu num mundo mais distante com limitações diferentes. Tenho uma foen a genética na qual asimjas maiores limitações são a nível pulmonar, tenho 33 anos e há 6 que dependo de oxigénio portátil não sempre ( porque me faço de forte) ao contrário da vontade dos médicos mas muitas vezes. Tenho um filho agora com 9 anos que para minha sorte ou azar herdou a mesma doença, já tem limitações mas não depende da máquina. Mas ao foco…. Um dia,numa consulta depois de ser diagnosticado a doença do meu filho a médica de especialidade de genética olha para o processo e diz, se sabe as limitações que tem para que foi ter um filho? Sabia que ele corria o mesmo risco? Sim sabia. Então e está aqui no processo que lhe foi proposto o aborto! Sim, mas não aceitei. E então? ( Eu já furiosa) a senhora doutora quer experimentar colocá-lo dentro da barriga novamente para ver se ainja opção é a mesma? Chorei até a casa, com ele ao meu lado a fazer perguntas e conversas para me distrair.
    Por isso Ritinha muita força, porque guerreiras vencem batalhas. Beijinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *