Determinação – por Ana Matos

“Determinação”… Chega a fazer pouco sentido serem outras pessoas que não a Rita a escrever sobre este tema, já que é ela a nossa grande professora nesse âmbito. Desta forma, sinto-me de novo como a pequena menina que adorava sentar-se na mesa da escola, a pensar como fazer uma composição com o tema que a professora sugeria. E hoje a minha professora é a Rita, e pediu um texto sobre “Determinação”. Metade do tempo dado, nessa altura, era quase sempre a pensar, pensar, pensar, como se de um segundo para o outro a inspiração pudesse rebolar pelas ideias, e me permitisse construir um texto bonito e com muitos adjectivos e vocabulário “difícil”. Sim, na Escola Primária a originalidade e o uso de palavras eruditas era o auge para as avaliações. E eu até fazia composições engraçadas! Agora, neste momento em que retrocedi um pouco no tempo na minha imaginação, tenho a tarefa muito mais facilitada. Escrevi “Determinação” na pesquisa do Google, e ele logo me devolveu uma infinidade de resultados. “Firmeza; persistência para se conseguir o que se deseja” – diz-me um dos dicionários. “A força não provém de uma capacidade física. Provém de uma vontade indomável” – diz-me uma página de citações, aparentemente inspirada por este tema. É tudo verdade, sim. Mas escrito de forma solta, perde o sentido… A determinação pode ser escrita, pode ser dita. Mas para existir, de facto, tem que ser vivida. E a Rita, “culpada” do desafio que me fez escrever agora este texto sem ordem, é um dos melhores exemplos que tenho na vida disto mesmo. A maior determinação dela é (não tenho dúvidas) ser feliz. Mas disse-me também esta minha pesquisa no Google, que “Dizer que a sua meta é ser feliz ou ser um sucesso não representa determinação de facto, somente ingenuidade quanto aos próprios propósitos e mecanismos da vida”. E acho que é aqui que a minha pesquisa termina, pois não consigo concordar com esta afirmação… Ter determinação para ser feliz, é ter pequenos (e grandes) objectivos todos os dias, e trabalhar para que se concretizem. Mas ao mesmo tempo que se deixa alguma liberdade à vida para seguir o seu curso. Ela, a Vida, tem apenas a capacidade de seguir, independentemente do que aconteça. Nós, no entanto, podemos adaptar-nos. E adaptar também os nossos desejos, vontades e objectivos. Porque o que é bom agora, pode não o ser daqui a pouco, e pode voltar a sê-lo amanhã. A Vida corre, e nós vamos percebendo o que muda (n’Ela e em Nós) a cada momento. Não acredito que fosse um objectivo da Rita ter-me aqui a escrever hoje, apenas porque ela não o pode fazer por estar no Hospital. Estar no Hospital é chato, uma cirurgia é chata, e de certeza que se não fosse o decorrer da Vida a trazer essa necessidade, a Rita preferia estar a fazer outra coisa qualquer… Mas a necessidade chegou, trouxe esse pequeno obstáculo, e que fez a Rita? Ficou triste por ter que mudar alguns planos, mas logo refez as suas ideias, objectivos, e enfrentou o que tinha que ser enfrentado. Com DETERMINAÇÃO. Sempre em pequenos passos, a caminho da sua felicidade (ou a ser feliz pelo caminho, que é tão bom!). E para mim, não há nada que mostre mais a sua determinação que o SORRISO que está sempre lá. No rosto, nas palavras ditas, e escritas. Porque há várias formas de demonstrarmos o nosso sorriso, e a Rita conhece-as todas! Uma delas é pôr outras pessoas a escrever por ela…imagino que esperasse que estes textos fossem inspiradores, mas nada se compara ao legado de textos que nos tem vindo a deixar. Por isso escrevi apenas ao sabor das ideias, pois não mais sou a menina que acabou de aprender a juntar letras, e que fica extasiada com palavras como “alvo”, ou “transcendente”. E isto foi o que saiu. Brevemente teremos de novo a Rita para nos inspirar por aqui…

Ana Matos/amiga da Rita e autora do blog “Mamã Bio” (link do blog https://mamabioblog.wordpress.com/)