De volta aos cavalos

13487659_1077367935657633_1323208477_n

Começo por vos dizer que embora todos vocês não o saibam esta minha paixão pelos cavalos já tem muitos anos, e quer-me parecer que será uma paixão para a vida toda!

Quando era pequena, dos dois aos quatro anos, fiz hipoterapia, adorava aquilo e  apesar de ser ainda bastante pequena na altura, tenho algumas memórias giras.

A égua que eu montava, chamava-se Camila, era um doce e eu era uma traquina, pois fazia-lhe “trinta por uma linha” e ela não se importava nada. Deixava-me fazer tudo e mais alguma coisa. Conta-me a minha mãe que eu adorava dar-lhe cenouras, escovar-lhe o pêlo e sempre que faziam tranças à Camila aí é que não a largava mesmo, pois se já sem as tranças aquilo era uma paixão pegada, então com as tranças nem se fala. Até hoje não consigo perceber como é que ela tinha aquela paciência toda para me aturar.

Naquela época, tinha grandes alterações na motricidade fina, não tocava em quase nada, aliás, caso tocasse fazia-o apenas com as pontas dos dedos, o facto é que o toque fazia-me imensa impressão.

O curioso é que os primeiros “toques”, em que não fiz batota, porque o fiz com a mão toda, e em que já não tinha aversão ao facto de tocar, aconteceram quando comecei a fazer festas na Camila. A partir daí, aos poucos comecei a tocar em todas as texturas, deixando assim de ter qualquer tipo de impressão ou até aversão ao toque.

Conclusão: Era uma diversão!

Acontece que, entretanto, entrei para a primária e tornou-se difícil conciliar os horários, acabei por ter de deixar de fazer hipoterapia. Embora ainda fosse muito pequenina e não tenha ficado com muitas memórias, a verdade é que fiquei sempre imensas saudades daquelas vivências, aliás, sempre disse que um dia gostaria de repetir a experiência.

Mas isso até agora ainda não se tinha proporcionado.

Como rapariga determinada e de ideias fixas que sou, nunca desisti desta ideia de retomar a hipoterapia, consequentemente, fartei-me de chatear a cabeça aos meus pais.

Sinceramente, acho que eles já estavam a chegar ao limite da sua paciência! Principalmente nestes últimos tempos, em que as férias se estavam a aproximar e eu andava a fazer o plano daquilo que queria fazer para ocupar o tempo livre, todos os dias, sem exceção, tocava-lhes no mesmo assunto: quero voltar a fazer hipoterapia!

Mesmo assim, penso que eles ainda não me estavam a levar muito a sério…por isso tentei o assunto, o mais rápido possível, começando por fazer uma pesquisa dos Centros hípicos que havia aqui na zona.

Desde a pesquisa até começar esta nova aventura foi um instante.

Tem sido mesmo bom para mim estar de novo em contacto com os cavalos… Não vos sei explicar, o certo é que eles me transmitem uma serenidade única. E para além disso posso juntar o útil ao agradável porque para além de dar os belos passeios a cavalo e dar-lhes muito mimo, posso também treinar a postura e de certa forma, exercitar os meus músculos.

Vou contar-vos um segredo, nunca vi cavalo tão sereno e mimalho como o Joel. Adora festas (e claro eu farto-me de lhe dar grandes festinhas) e deixa que lhe façamos tudo e mais alguma coisa. Está sempre tudo bem com ele.

Como não podia deixar de ser tenho que agradecer á Isabel, á Inês á outra Inês e à Isa por estarem sempre a puxar por mim e também por me ajudarem a controlar o Joel. E ao centro hípico Macio Pinto.

Obrigada a todos pela forma carinhosa e simpática como me receberam.

Este é só o início do recomeço de uma grande aventura. <3