MOVIMENTO FILHOS SEM VOZ

Fevereiro 7, 2018 Rita

Escrevo-vos com um nó imenso na garganta e de coração apertado.

Tão apertado que até me vieram as lágrimas aos olhos…

Hoje, o programa linha aberta deu conhecimento a todos os portugueses a dura realidade que os cuidadores das pessoas com deficiência vivem diariamente…

Pais esgotados e sem resposta que não encontram forma de dar voz aos filhos que aos olhos do estado, (pelos vistos!!!) não precisam de apoio.

 

Estamos a falar de cuidadores, aqueles que cuidam 24 sobre 24h e que não veem o futuro dos seus filhos a ser assegurado de maneira nenhuma…

Rostos invisíveis e sem voz. Pessoas que têm todos os direitos e mais alguns, mas nenhum deles lhes é assegurado por quem tem essa obrigação e acena a bandeira da justiça, igualdade e solidariedade.

 

Subsídios mínimos que não asseguram minimamente todo aquilo que a pessoa que ajuda a outra pessoa com deficiência precisa para ter vida digna.

Cuidadores que não trabalham para poderem cuidar…

Terapias que não são asseguradas, instituições que também não dão resposta e que muitas vezes são segregadoras das pessoas com deficiência. É um mundo faz de conta onde o egoísmo se disfarça de hipocrisia.

 

Isto é humano? Pergunto eu.

 

Não não é!

 

Ponho-me no lugar dos pais destas crianças e jovens e por muito que tente não consigo imaginar a tamanha dor que é perceber que um dia, quando já não estiverem cá, os seus filhos continuarão invisíveis perante a sociedade.

 

 

E que por exemplo, eu apesar de ser dependente dos outros para quase todo, para além estar a trabalhar na minha independência, tenho voz e se tudo correr bem terei independência económica

 

E quem não tem ou não pode ter?

 

Como pode viver?

Será de ar e vento?

Como pode ser cuidado sem o apoio do estado?

 

 

Sinto-me revoltada e preocupada com a falta de sensibilidade e a notória invisibilidade de que sofrem as pessoas com deficiência em Portugal.

 

Escrevo para demostrar o meu apoio total a este movimento e disponibilidade total para o debater.

 

Escrevo também para que partilhem o mais possível esta realidade e reflitam sobre esta dura realidade .

Por favor só vos peço quando acharem que os vossos problemas são os maiores do mundo, olhem para o vizinho do lado e se ele precisar ajudem-no em todo o que estiver ao vosso alcance.

Podem ter a certeza que isto é mais fácil de fazer, do que aquilo que  vocês pensam…

(SE TIVER ERROS A CULPA É DA PRESSA COM QUE ESCREVI TUDO ISTO)

1 Comment

  • Obrigada por lutar pelos nosso direitos, sou mãe de um jovem com paralisia cerebral faz 31 Anos em abril, é um jovem que não fala não anda é totalmente dependente de terceiros tem 95% de deficiência, e sinto muito triste como são tratados no nosso País, são como falou programa linha aberta onde vi e ouvi com toda a atenção são cidadãos de terceira.Mudaram o nome na pensão mas o valor é o mesmo. Mais uma vez tentam enganar .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *