A pensar…Na saudade

Maio 19, 2016 Rita

Preto e branco

Não me digam mais nada!
Nada que possam dizer preenche o vazio que sinto.

E eu que pensava que a discrição de vazio era demasiado abstracta e se calhar um bocadinho exagerada.
Sempre soaram nos meus ouvidos apalavras como a saudade e até a discrição precisa, do que é sentir a falta do outro.
A verdade é que eu nunca tinha provado dessa tal saudade e desse tal vazio de forma tão intensa.
É certo que ao longo da nossa vida, vamos fazendo umas brincadeiras com as saudades…mas, facilmente resolvemos a situação. Como? Perdendo a preguiça e dispensado um bocado do nosso tempo para estar com a outra pessoa de quem gostamos e que nos faz sentir bem.
Mas há de haver um dia em que essa saudade não poderá ser mais nenhuma vez, remendada, nem embrulhada num abraço (físico) que faz com que tudo passe.
Esse dia, sem que nada fizesse prever e mais depressa do que estava á espera ele chegou á minha vida, ao meu mundo.
O mundo desabou diante mim.
E arrastou consigo um pedaço da minha pessoa.
Ainda assim, tentou dar-me outro pedaço que apesar de não ter as mesmas formas, foi o código secreto que me foi dado, para eu conhecer um mundo diferente, de imagens tremidas e pouco precisas, mas muito bonitas, que são as melhores memórias que alguém poderia ter.
O certo é que, (apesar dessas lindas memórias):Não existe dia, absolutamente nenhum, que não me depare com uma realidade, oca e vazia (ainda que bastante colorida).
Uns dias esse vazio torna-se mais notório e outros dias menos, é certo.
Mas nunca desaparece. Embora aparentemente seja preenchido com outras coisas bonitas (incluindo as memórias) e também elas com valor emocional forte.
A saudade tem a mesma força e a mesma intensidade do amor que desde sempre e para sempre sentiremos pela outra pessoa. Se bem que ela, desgasta a alma, é sinal de que, para além, de sentirmos falta do outro, ele foi alguém sem o qual a nossa vida não seria a mesma.
Estava para aqui a pensar, em sintonia com as borboletas do meu mundo, e com os meus botões coloridos.
Tenho saudades… Dos beijos, dos abraços. De tudo.
E sei lá até onde elas vão parar! Só sei que não acabam nem desaparecem.
o certo é que esta saudade continua a fazer com que o meu mundo se mova, e eu, tenha asas para voar, para atenuar de alguma forma a saudade que sinto, da minha estrela cintilante.
Saudades dele, dos seus abraços carinhosos, das suas cantorias e dos nossos petiscos de sábado à tarde. Saudades do meu compincha de aventuras favorito.
(Meu compincha querido tantas saudades tuas! Amo-te e sempre te amarei
Ah! Sinto que agora as aventuras continuam a existir, mas através das estrelas)

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *