(Voltar a ser) dependente dos outros

Junho 26, 2017 Rita

Já imaginam estarem dependente das outras pessoas desde que se levantam até que se deitam? Com certeza que não!

Sinceramente não acho que isso tenha de ser um problema porque a verdade é que não deixamos de ter o nosso valor. Aliás, até passamos a ter mais porque temos uns cuidadores super-heróis que nos fazem chegar mais longe….

 

É assim um dois que se torna apenas num um. Como quem diz uma heroína/ herói 2 em 1.

Admiro mesmo os cuidadores.

A minha cuidadora, neste caso a minha mãe, é uma cuidadora que ultrapassa as cinco estrelas de todas as escalas que existem no mundo. Não conheço outra pessoa que me dedique tanto tempo com ela. Não conheço também mais ninguém que tenha tanta paciência para o meu mau feitio…. Só conheço mesmo A-minha-mãe-cuidadora.

Ainda assim, tem-me custado um bocado ser cuidada.

Simplesmente porque há sensivelmente um ano, eu já fazia quase tudo. Tipo tomar banho sozinha, vestir-me sozinha, isso tudo. E até chegar a esse ponto de confiança em mim própria e vontade de ser o mais independente possível, foram precisos anos de trabalho, que há seis meses, foram mais ao menos perdidos…

Não sei que vos diga. Mas dizem-me que essa independência vai voltar. Acredito que sim até porque desde da cirurgia já fiz algum progressos bem bons.

A verdade é que esses progressos chegam até mim a passo de caracol…E pronto de vez em quando, por este compasso de espera, tenho tendência a verter algumas lagrimas. Sou a primeira pessoa a dizer que isso não leva a lado algum. E não leva mesmo.

Porém, às vezes, também sabe mesmo bem, deitar cá para fora, crises existenciais que vão ficando na nossa alma para as quais não temos explicação, nem muito menos, nos apetece falar delas.

Tipo…é que não basta ser adolescente e ter as crises existenciais próprias da idade, ainda tenho que ter as outras por culpa do excesso de maturidade e também uma certa preocupação com o futuro? Parece que sim…

Bem podia ser pior…e por muito que seja difícil não há nada que um bocado de paciência (minha e dos que estão à minha volta) e tempo (MUITO TEMPO!) não resolvam.

Não escrevi este texto à espera que me resolvessem estes medos e inseguranças que voltaram a aparecer…

Escrevi este texto para que percebessem que até a pessoa com a alma “mais forte de todas” tem desânimos…por isso não vale mesmo a pena pensar que somos os mais fracos e que os outros é que são fortes…O mais forte e mais fraco é tudo uma questão de visão por isso (Vou ter de limpar melhor os óculos! Devem estar embaciados…só pode…Ahahaa)

E também porque este texto foi escrito por mim própria para mim própria só para ver se começo a ter pensamentos menos inseguros , que se expandem   cada vez mais com o medo…

Posto isto…

A vossa Rita,

Que já limpou os óculos muito bem e já está a ver tudo pelo lado mais positivo…

Ou seja, ser cuidada também tem sido bom porque posso dar-me mais à preguiça! Ahahahah

Rita Bulhosa-31

 

20 Comments

  • Fizeste bem em escrever…escrever ajuda a organizar o que vai na alma.
    Mostrar fragilidades não quer dizer que somos fracos pelo contrário demonstra humildade nas inseguranças que fazem parte de todo o ser que sente.
    Chorar…também faz bem!
    Alivia…limpa os caminhos nublados pelo medo…e o canal lacrimal fica mais limpinho 😉
    Às vezes é necessário dar dois passos atrás para que consigamos evoluir e assim dar ao seu tempo, os outros passos à frente.
    Há processos que temos de passar e que nos prepara para recebermos algo melhor.
    Claro, que não é fácil!
    No entanto, tenta não esquecer a gratidão por teres tantas pessoas que gostam de ti, por mérito próprio.E de tens uma cuidadora brilhante que te ama de forma incondicional.

    Um grande beijinho para ti e outro para a tua mãe de quem gosto muito! <3

  • Tentar ultrapassar os nossos medos é uma constante na Vida ….. Ter uma Mãe Maravilhosa é uma benção 😉
    Nem tudo é fácil na Vida , mas com Amor tudo se resolve 🙂
    Beijinhos

  • OH Rita…
    O teu texto inspira-me diferentes sentimentos. Tu sabes que existe uma panóplia de dependências, umas mais saudáveis que outras, essa que tu referes vai passar, vais deixar de ser adolescente, vais recuperar a tua autonomia, já a dependência dos miminhos e cumplicidades da mãe essa, querida Ritinha, não percas nunca.
    Beijinhos de Coimbra
    Isabel

  • Grande Rita, tu és uma miúda linda, cheia de valor e acabas de dar mais uma grande lição aos mais crescidos. Lutas, choras, ris, agradeces e levantas a cabeça e sim é tudo normal!!!
    Muita força para ti, muita força para os teus cuidadores! Um grande beijinho e não pares de lutar nunca! És uma inspiração!

  • Ritinha és uma miúda espectacular, teu riso teu olhar tua força de viver, sei que todos os mortais teem seus dias menos bons, por isso os teus também…dias melhores dias menos bons todos fazem parte da vida esses dias menos bons fazem-nos crescer…a tua cuidadora faz tudo por amor!!!! tem calma que tudo vai correr pelo melhor!!! beijinhos Rita

  • Bem…essa amálgama de sentimentos são tão normais Rita…e sabes que em todas as pessoas! Mesmo que não estejam dependentes! Não te preocupes…porque nasceste de certeza no polo positivo…e por isso a positividade ganha sempre em ti! E é isso que é tão raro…e bom!
    Vai tudo melhorar…demore mais ou menos tempo, porque em ti não pode ser de outra maneira!
    Bjs

  • Eu sei que é difícil ter e depois perder…mas enquanto há vida há esperança e A Rita ainda tem a vida pela frente…por isso se tem vida tem a mesma quantidade de esperança não é?—beijinho com carinho e fé e confiança que vai recuperar e ainda vai ajudar alguém…eu confio que sim….A Rita já ajuda com a sua escrita….beijinho á sua mãe…..Ana Maria( também eu sou cuidadora)

  • Olá Rita, eu também sou mãe cuidadora, a minha filha Beatriz tem 18 anos e sofre igualmente de Paralisia Cerebral, só que, infelizmente, não sabe queixar-se, pois no caso dela, essa incapacidade é de 100%. Talvez sofra menos do que tu, embora eu acho que és uma vencedora, mas a verdade é que ela não tem perceção do que a rodeia, e por isso, não sente que é diferente e é feliz assim, pelo menos, assim esperamos e lutamos.No dia a dia de cuidadores de alguém que é totalmente dependente da ajuda de outros para as necessidades mais básicas da vida também temos muitas vezes desespero e sentimo-nos incapazes, mas a verdade é que ela ainda cá está (quando nasceu deram-lhe dois dias de vida!) e é feliz, porque o que importa é o amor da família e tem sido esse amor que nos tem ajudado a ultrapassar todas as dificuldades.
    Parabéns pela valentia e perseverança tua e dois pais que te amam incondicionalmente.
    Bjinhos

    • Que comentário tão emocionante! Parabéns mãe cuidadora da Beatriz ❤️💕! Acredito que ela seja feliz à maneira dela e isso é o mais importante 😊! Um grande beijinho e obrigada pelo comentário de força e luz ✨!

  • “Ritinha eu sei que és uma lutadora, tens dado provas disso, por isso não te deixes ir abaixo, eu acredito que tu vais conseguir vencer, não é com aquela pressa que tu gostarias que fosse, mas o que importa é que devagar se vai ao longe, muita fé, muita perseverança e muita força, melhores dias virão com toda a certeza, beijinho grande.

  • Olá minha borboleta linda, isto é uma declaração de amor? Já te disse que vais voltar a fazer tudo o que fazias antes! Tens é de ser mais paciente… Coisa que por vezes te falta… Mas também é normal, eu com a tua idade, não tinha paciência nenhuma!
    Sabes uma coisa? Este texto obrigou-me a limpar os óculos, ficaram embaciados…
    Beijocas

  • “A minha cuidadora, neste caso a minha mãe, é uma cuidadora que ultrapassa as cinco estrelas de todas as escalas que existem no mundo. Não conheço outra pessoa que me dedique tanto tempo com ela. Não conheço também mais ninguém que tenha tanta paciência para o meu mau feitio…. Só conheço mesmo A-minha-mãe-cuidadora.”
    A tua mãe Rita ….o que deve ter sentido quando leu o que escreveste!!!! Abençoada Mãe que tem assim uma filha. Apetece-me premiar a tua mãe com este desabafo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *