Compaixão não. Por favor.

Hoje, enquanto estava na minha vidinha, mais precisamente a entrar em  casa…vi que uma senhora  (já velhota ) olhava muito para mim…olhei para ela e sorri-lhe.

Ela, parou, virou-se para uma amiga minha , que me vinha a dar as mãos e disse:

-O que é que a menina tem?

-Tem paralisia cerebral

Ao que ela respondeu: Ai que tristeza…

(Eu nesse segundo, já sentada na cadeira de rodas e com vontade de me rir )

A minha em modo: deixa ver se a mulher se cala, respondeu:

-não é nada está aqui rija como o aço!

Ela voltou a olhar para mim e disse: És tão bonita! E eu, voltei-lhe a sorrir como o meu melhor sorriso…mas como já estava com uma vontade de me rir que já nem aguentava mais decidi pegar no telemóvel enquanto a senhora continuava a conversar com a a minha amiga …Qual é o meu espanto quando, me sinto outra vez observada por ela e a senhora sai-se com outra: Ai até sabe mexer nos computadores melhor que nós..???!

Juro que eu até achei o descurso da senhora fofo  (até disse que eu era bonita! ) sei que pode não ter sido no sentido “negativo” que ela disse tudo aquilo que disse.

Sinceramente, o que me custa mais nisto tudo…é que as pessoas não percebem que ter difiência não é nada de transcende, para além disso se eu não sou uma pessoa amargurada com a minha dificiência…porque é que as outras pessoas hão de ficar amarguradas pela  a minha própria deficiência?  A única pessoa que tem de a atuar sou eu! E só lhe passo cartão se me apetecer!

Por issso, compaixão não…se não se importam!