Resiliência: A única opção

Abril 26, 2017 Rita

Se abriram a pagina a pensar que vos vou dar uma receita de “como não desistir” ou até “como não desesperar perante algumas das adversidades da vida” estão muito enganados, porque não faço a mínima ideia quais são os modos de confecção dessa receita, aliás, se alguém descobrir, conte-a ao mundo. Dá sempre jeito.

A solução para os problemas é sempre bem-vinda, mas acho mesmo muito pouco provável que essa solução, seja igual, retilínea e homogénica para todos nós.

Cada um, tem a sua solução e os seus pós de perlimpimpim consoante a situação. Esses pós mágicos não nos são dados quando os obstáculos aparecem, são nos dados quando estamos a tentar derrubar o obstáculo ou até quando estamos a tentar ultrapassa-lo sem nos ferirmos muito.

O que temos de perceber, ou pelo menos devíamos, e que por muito que queiramos ou por muito que até nos dê jeito, não podemos, nem sequer devemos transferir para o passado uma coisa que ainda  não resolvemos no presente.

A vida é aqui e agora. Não foi ontem algures, nem será amanhã sem ter sido hoje.

Aposto que se pudéssemos fazer escolhas mais fáceis de menos sofrimentos que não nos causasse tanta agonia só por termos medo do incerto, com certeza que as  faríamos  sem ter de pensar muito.

Mas o tempo e vida são uma incógnita. E os obstáculos que nos vão aparecendo, não deixam mensagem nem chamada telefónica para avisar que vão chegar (era tão bom que tivessem telefone! Ahahah) por isso é que quando aparecem de surpresa, nós, apesar do medo do desconhecido, arranjamos forças que estavam escondidas em nós…sabe-se lá onde.

E o segredo é exatamente esse. A resiliência significa exatamente isso.

Por muito que, doa a alma e ela já não possa aguentar nem mais uma lagrima, o importante é que tínhamos a força de vontade sempre presente e de preferência sempre com a mesma intensidade e emoção com a qual descobrimos essa tal força que estava escondida dentro de nós.

Ser resiliente é todo menos fácil. Mas quando não temos outra opção.

A resiliência é sempre muito melhor do que a tristeza que não tem brechas de sorriso. Porque ser resiliente é: mesmo na tempestade aproveitar os   segundo mais serenos para esboçar um sorriso ou receber um abraço de alguma alma que naquele momento esteja feliz.

No final de contas tudo vale a pena, nem que seja só pelo facto de termos ficado a ver a vida de uma forma diferente.

Eu sou feliz e como quem espera sempre alcança, também sou e devo ser resiliente que chegue e sobre para que possa saborear cada vitória, devagar…devagarinho.

Quem ama a vida e quer ser feliz, aprende a ser resiliente, quase sem dar conta.

Por isso, sejamos determinados e façamos sempre todo por nós próprios e no tempo certo, porque de uma forma ou de outra: o que tem de ser tem muita força.

6 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *